IDENTIFICAÇÃO DE ANIMAIS MARINHOS

Foi quando constatei que mergulhar não é apenas fazer um curso e dominar as técnicas no manejo do equipamento. Mergulhar também é estar inserido num mundo completamente novo e mágico, onde TUDO TEM UM NOME. 

Por Cristina Paredes

1 – Como tudo Começou

Lembro como se fosse ontem, de minha primeira experiência como credenciada “Open Water Diver”. Não vou mentir dizendo que estava calma e sendo destemida e corajosa: a verdade é que demorei muitos mergulhos para ficar confiante e, se pudesse, faria inúmeros mergulhos tranquilamente segurando a mão do instrutor ou “divemaster”, sem me preocupar em ser independente. 

Obviamente quando fiz meu primeiro mergulho recreativo pós “formatura”, eu estava com o coração acelerado e, com cautela, revisava mentalmente todas as lições aprendidas no curso e no “check-out” realizados a pouco mais de um mês daquele dia. Terminado o mergulho, voltei para o barco toda satisfeita e com uma pontinha de orgulho de meu primeiro e pequeno desafio conquistado.

Minha memória estava repleta de imagens de peixes e formações nunca antes vistos em minha vida – eu estava realmente deslumbrada e posso até dizer, um pouco emocionada com tudo aquilo. Foi quando o rapaz que me ajudava a desequipar, desviou meus pensamentos: “E aí, gostou do mergulho? O que você viu?”. Ainda anestesiada com minha experiência, e com dificuldade de descrevê-la em palavras, comecei a tagarelar sem parar: “Ah sim, adorei o mergulho!!! Vi muitos seres marinhos, peixinhos coloridos, tinha alguns fininhos e compridos, vi um cardume de amarelinhos. Vi uns peixes cinzas grandes também. Mas um em especial, chamou mais minha atenção, achei lindo demais! Eram dois na verdade, um peixe meio grande e achatado, azul-marinho, com uns risquinhos amarelos se não me engano”.

Ele satisfeito comentou: “Ah… esse peixe que você falou aí, deve ser o Frade”…

 

Nesse momento percebi a minha limitação para descrever as coisas incríveis que tinha vivenciado. Foi quando “caiu minha ficha”: “Puxa, não basta apenas mergulhar, mas eu também tenho que aprender a identificar os animais marinhos”! Como iria  trocar informações e conversar sobre minhas experiências, se não sabia sequer identificar o que estava vendo?

Externando essa minha nova preocupação para aquele rapaz e ele riu gostoso: “Não se preocupe, com o tempo você aprende a identificar os seres marinhos…”. Esse momento ficou profundamente marcado em minha memória.  Foi quando constatei que mergulhar não se trata apenas de se fazer um curso e dominar as técnicas no manejo do equipamento. Mergulhar também é estar inserido num mundo completamente novo e mágico, onde TUDO TEM UM NOME…e eu queria saber qual!

2 – Onde Encontrar Informação para Identificar os Animais Marinhos

Depois desse dia, resolvi investigar o que poderia me ajudar na Identificação dos Animais Marinhos e de pronto, encontrei lindas tabelinhas plastificadas (excelentes para se levar a bordo), onde podemos observar desenhos dos peixes mais comuns de um determinado oceano ou ponto de mergulho.

Geralmente essas tabelas informam tanto o nome científico, quanto o nome popular dos peixes. Claro que o primeiro peixe que procurei estava lá devidamente identificado: eu realmente tinha visto um Frade – “pomacanthus paru”. Descobri depois que pomacanthus é um gênero de peixe-anjo marinho, o que significa que meu peixinho Frade é apenas um dos integrantes dessa grande família, alguns deles nem nadam nas Américas e sim em outros continentes.

Daí a importância de termos pelo menos a informação do nome científico, já que ele indica a relação familiar, algo que com apenas o nome popular, não nos permite aprofundar os conhecimentos.  

Também me interessei em ter pelo menos uma ideia a respeito da identificação da fauna e flora marinha, repleta de esponjas, tubos, corais – alguns também identificados em tabelinhas semelhantes.

 

3 – Aprofundando mais os Conhecimentos

Com o passar do tempo, percebi que as tabelinhas eram ótimas, mas o oceano possui uma variação muito maior do que o resumo que elas apresentam e claro, eu ansiava por mais. Logo eu estava comprando belíssimos livros de fotografia SUB, que além de proporcionarem uma lembrança colorida de grande parte da vida que já tive o prazer de conhecer em minhas saídas, também identificam devidamente os ilustres fotografados: eis a combinação perfeita! 

Atualmente estou lendo a respeito de identificação através do tipo físico do peixe: o tal “achatado” com o qual descrevi o Frade naquele dia é sim uma característica que o distingue dos demais, assim como os peixes com dentões, os vermelhões com olhos grandes, e por aí vai. Quanto mais a gente lê, mais assunto interessante encontra para estudar.  O google também é uma fonte rica de conhecimento, mas é preciso peneirar bem o que se lê, além de ser necessário ter o nome do peixe antes, para ter mais chances de encontrá-lo lá. 

4 – Identificação de Animais Marinhos  no Site Abud Dive

Sim, aquele rapaz do meu primeiro dia de mergulho tinha razão: com o tempo a gente aprende, mas nada melhor do que ir atrás da informação e se aprofundar a respeito. É óbvio que não decorei e nem sei a identificação de todos, mas é realmente prazeroso poder chegar em casa, e ter um material de consulta à disposição: sempre acabo descobrindo e identificando um peixinho novo. 

Hoje, acho graça quando encontro pessoas no início de sua jornada sub, voltando de um mergulho e, assim como eu naquele dia, tentando descrever sua experiência. Agora sou eu quem os ajuda nessa identificação de seres marinhos. Já me vi profetizando com eles, a mesma frase que um dia ouvi e me marcou:  “não se preocupe, com o tempo você aprende” …

Para facilitar meus colegas mergulhadores, resolvi criar uma página específica no site da Abud Dive, onde coloco foto (às vezes vídeo também) de cada ser marinho que já tive o prazer de presenciar e fazer um registro. Cada ser marinho possui um pequeno descritivo e também seu respectivo nome científico. Toda semana essa página recebe material novo, então trata-se de um “livro vivo”: sempre pronto e à disposição para uma identificação rápida, para queles que queiram aprender um pouco mais.

Espero contribuir um pouco e facilitar o caminho daqueles que procuram saber mais a respeito da vida marinha. Acredito muito na premissa de que ninguém ama o que não conhece. Quanto mais conhecermos os  seres que habitam nossos oceanos, mais amaremos e respeitaremos esse mundo fascinantes e que, infelizmente, é tão maltratado pelos seres humanos.

14 comentários em “IDENTIFICAÇÃO DE ANIMAIS MARINHOS

    1. Natashia, I am not able to find suitable words to thank you for the nice compliment I received from you. Really happy!

  1. You really make it seem really easy along with your presentation but I to find this matter to be actually something which I think I’d by no means understand. It sort of feels too complex and very wide for me. I’m having a look forward for your subsequent post, I will try to get the cling of it!

    1. Hi Bebe! I really laugh when I read your comment. There is nothing hard when you are very determined to learn. Imagine that I am formed in International Foreign Trade, so nothing to do with Sea Life. Really glad you liked and hope you understood the other post. Any doubt, I am here to support you.

  2. É verdade cris! Me identifiquei muito com esse post. hoje eu vejo que conhecer a vida marinha nos permite identificar e aproveitar ainda mais o mergulho.

    1. Andrei, fico feliz que tenha gostado do texto. E você comentou bem: quando a gente conhece mais sobre a vida, o mergulho fica muito mais interessante. Inclusive, quando você conhece os hábitos das espécies, consegue localizá-las nos mergulhos. E vamos mergulhar!!! Abração!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe isso:

WhatsApp chat